A vinda do TED Global para o Brasil e as lições que devemos guardar

1 de novembro de 2014

ted - Copia

O ano de 2014 tem sido especial para o Brasil. Além da Copa do Mundo, foi a primeira vez que um evento oficial do TED (as iniciais de Tecnologia, Entretenimento e Design) foi realizado na América Latina e a organização escolheu logo a cidade do Rio de Janeiro.

Não foi à toa que o TED Global veio para o Rio. A cidade foi escolhida por muitos fatores, alguns deles sendo a infraestrutura que a cidade desenvolveu para a Copa do Mundo, além do conhecimento em produção de eventos de grande porte, que alguns gestores de empresas adquiriam durante a Copa do Mundo, como gestão de públicos de interesse, como fornecedores, prefeitura e subprefeituras, etc. Fazer um megaevento do porte da Copa é uma ótima experiência e oportunidade para grandes empresas – e os organizadores do TED souberam fazer uso disso.

As palestras foram sobre os mais variadas abordagens ao longo dos 5 dias de evento, indo desde uma apresentação de Miguel Nicolelis, o neurocientista responsável pelo projeto Caminhar De novo (Walk Again, em inglês) que possibilitou um deficiente físico chutar uma bola na abertura da Copa, ao grupo de dança “A Batalha do Passinho.

No primeiro dia, o destaque foi sobre “Jovens Promissores”, com Thiago Mundano, artista plástico brasileiro, responsável pelo projeto “Pimp My Carroça”. Seu com o objetivo de dar visibilidade ao veículo e aos catadores de lixo. Ele disse em sua palestra que “o mundo tem super-heróis. Muitos sofrem de um superpoder: Invisibilidade”. Uma reflexão de seu trabalho ajudando catadores de lixo.

No segundo dia, o tema foi “Política e Internet”. Destacamos a apresentação de Glenn Greenwald (foto), o jornalista responsável por publicar algumas das revelações de Edward Snowden, sobre privacidade no mundo globalizado e a razão de sua importância. Em sua palestra, Greenwald também argumentou a necessidade da privacidade com casos de hipocrisia, como o de Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook, que disse em uma entrevista que “privacidade não é mais uma norma social” e que, ao se casar, comprou todas as casas ao redor da sua para ter mais privacidade.

Com o nome “’Passinhos’ para o futuro”, o terceiro dia foi marcado pela apresentação de Nicolelis e da Batalha do Passinho.

O quarto dia contou com a chef brasileira Tereza Corção, que falou sobre a recuperação de ingredientes locais e até cozinhou feijão tropeiro no palco do TED, sob o tema “Inovação no Cardápio”, nos fazendo refletir dizendo que “devemos procurar por nossos tesouros em casa”.

E, em seu último dia de evento, o TED Global contou com Fabien Cousteau, neto do lendário explorador Jacques Cousteau, falando sobre “Aventura e Ativismo”.

Enquanto a Copa trouxe um legado muito material, como os estádios nas diferentes capitais, além do investimento em infraestrutura, o TED Global no Rio nos deixa um legado muito mais abstrato, com uma nova visão sobre como podemos pensar a cultura brasileira e mundial. Você pode conferir essa e outras palestras do TED aqui.

Twitter
Instagram

Flickr

Henry Carroll na FAPCOM

Facebook