A filosofia pode ensinar o que o Google não pode

29 de agosto de 2017

Fonte: Filosofia na Escola

Livre tradução e adaptação do texto publicado no jornal britânico The Guardian.

Seja com a invenção de carros sem motorista, ou nos telefones quando ligamos para o banco ou para uma loja: todos sabemos que os robôs estão chegando, e em muitos casos já estão aqui. Em 2013, economistas da Oxford University’s Martin School estimaram que, nos próximos 20 anos, mais de metade de todos os empregos serão substituídos por tecnologias inteligentes. Como essa perspectiva de uma vida auxiliada por robôs, é tolo negar que as crianças que estão na escola hoje entrarão num local de trabalho muito diferente amanhã – e isso se tiverem sorte. […] Os futurólogos preveem que os trabalhos administrativos e burocráticos serão cada vez mais terceirizados para “máquinas”, bem como os trabalhos manuais.

Diante disso, como os educadores devem preparar os jovens para a vida cívica e profissional numa era digital? […] Redobrar o investimento em ciência, tecnologia, engenharia e matemática não vai resolver o problema, pois: o treinamento em altas tecnologias tem suas limitações imaginativas.

Num futuro próximo, os que abandonaram a escola precisarão de outras habilidades. Em um mundo onde o conhecimento técnico é cada vez mais restrito, as habilidades e a confiança para percorrer disciplinas será recompensado. Precisaremos de pessoas que estejam preparadas para perguntar e responder às perguntas que não são encontradas no Google, como: Quais são as ramificações éticas da automação das máquinas? Quais são as consequências políticas do desemprego em massa? Como devemos distribuir a riqueza em uma sociedade digitalizada? Como sociedade nós precisaremos estar mais familiarizados com a Filosofia para discutirmos tais questões.

Em meio às incertezas políticas de 2016, o presidente irlandês Michael D Higgins lançou uma luz nesta área. “O ensino da filosofia”, disse ele em novembro, “é uma das ferramentas mais poderosas que temos à nossa disposição para capacitar as crianças a atuar como sujeitos livres e responsáveis em um mundo cada vez mais complexo, interconectado e incerto”. A sala de aula, ele enfatizou, oferece um “caminho para uma cultura democrática humanista e vibrante”.

Em 2013, enquanto a Irlanda lutava contra os efeitos da crise financeira, Higgins lançou uma iniciativa nacional que pedia um debate sobre o que a Irlanda valorizava como sociedade. O resultado é que em setembro, pela primeira vez, a filosofia foi introduzida nas escolas irlandesas. O curso para jovens de 12 a 16 anos provoca os jovens a refletirem sobre questões que – até agora – estavam ausentes dos currículos escolares. No Reino Unido, uma rede de filósofos e professores ainda está tentando implantar algo parecido. E na Irlanda, uma nação que já foi considerada “o país mais católico”, já está explorando reformas para estabelecer a filosofia para as crianças como um assunto dentro das escolas primárias.

Esta expansão da filosofia no currículo é algo que Higgins e sua esposa Sabina, graduado em filosofia, pediram expressamente. As opiniões de Higgins estão à frente de seu tempo. Se alguns educadores assumem que a filosofia é inútil, é justo dizer que muitos filósofos acadêmicos ainda são territoriais ou ignorantes sobre a viabilidade de tratarem do assunto para além da academia. Se por um lado os educadores precisam ficar sábios, por outro lado os filósofos precisam superar a si mesmos.

O pensamento e o desejo de compreender não vêm naturalmente – ao contrário do que Aristóteles acreditava. Diferentemente, digamos, do sexo e da fofoca, a filosofia não é um interesse universal. Bertrand Russell aproximou-se disso quando disse: “A maioria das pessoas prefere morrer do que pensar; na verdade, é isso que fazem “. Embora possamos todos ter a capacidade de filosofar, é uma capacidade que requer treinamento e “cutucões” culturais. Se a busca da ciência requer algum andaime cognitivo, como argumenta o filósofo norte-americano Robert McCauley, então o mesmo vale para a filosofia.

A filosofia é difícil. Abrange a dupla exigência de trabalho árduo e um supervisor sério. Isso nos obriga a superar os preconceitos pessoais e as armadilhas no raciocínio. Para isso é necessário o diálogo tolerante, e imaginar pontos de vista divergentes enquanto os avalia. A filosofia ajuda as crianças – e os adultos – a articular perguntas e a explorar respostas que não são facilmente extraídas pela introspecção ou pelo Twitter. No seu melhor, a filosofia coloca ideias, não egos, na frente e no centro. E é a própria fragilidade – a não-naturalidade – da filosofia que exige que ela seja incorporada, não apenas nas escolas, mas nos espaços públicos.

A filosofia não vai trazer de volta os trabalhos perdidos para os robôs. Não é uma cura para todos os problemas atuais ou futuros do mundo. Mas pode construir uma imunidade contra julgamentos descuidados, e certezas não avaliadas. A filosofia em nossas salas de aula poderia nos preparar melhor para perceber e desafiar os conhecimentos convencionais da nossa era. Talvez por isso não seja surpreendente que o presidente da Irlanda, um país que foi uma vez uma sub-teocracia, tenha entendido isso.

Twitter
Instagram

Flickr

Henry Carroll na FAPCOM

Facebook