Ex-alunos da FAPCOM contam como é ter um projeto premiado

23 de junho de 2014

10299962_10201971228494565_3277996698132724874_nPor Lais Rodrigues

No último mês de maio, entre os dias 22 e 24 de maio, tivemos a oportunidade e a honra de ter três grupos de TCC premiados na Intercom Sudeste 2014, que aconteceu em Vila Velha/ES.

A Intercom tem a finalidade de estimular o desenvolvimento científico e a troca de conhecimentos entre mestres, doutores, alunos e recém-graduados na área de Comunicação Social.

Os trabalhos inscritos foram ganhadores do prêmio Expocom (Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação) nas seguintes categorias:

Jornalismo: Produção laboratorial em videojornalismo e telejornalismo com o documentário “Quando eu me chamar saudade”, de Daniel, Lailson e Renan.

Relações Públicas: Planejamento estratégico de Relações Públicas – “Rubel, inspirando as pessoas a viverem melhor”, de Anne Caroline, Carla, Dafne, Fernanda, Tatiana Cristina e William (Agência Nexus).

Relações Públicas: Projeto de assessoria de comunicação empresarial – “Espaço do Gourmet: onde gastronomia e comunicação se encontram”, de Ana, Bárbara, Carol, Eric, Fernando e Kelly (Agência Brücke).

DSC_8377

Da esq. para dir.: William Romeo, Bárbara Argenta, Ana Paula Cislaghi, Anne Caroline Andrade, Renan Xavier, Lailson Nascimento, Daniel Santos, Eric Nogare, Kelly Feltrin e Carolina Bertoco

Para inspirar os futuros comunicólogos, o BLOG da FAPCOM entrevistou ex-alunos participantes dos projetos, que contam um pouco como foi a construção do projeto e a conquista dos prêmios.

FAPCOM – Como foi o processo de escolha do tema? 

Resposta Nexus: O projeto de Relações Públicas começa com a escolha do cliente, queríamos uma empresa em que tivéssemos abertura para trabalhar e obter as informações, pois os ex alunos sempre nos diziam sobre as dificuldades que tinham com cliente que não estava disposto a abrir a empresa e compartilhar os dados. O tema para a Rubel surgiu com a missão da empresa, que é “Inspirar as pessoas a viverem melhor”. Foi um planejamento estratégico de comunicação integrada, e teve como principal objetivo construir um posicionamento para empresa, e aumentar seu reconhecimento na comunidade.

FAPCOM – Como foi o processo de produção do projeto?

Resposta Nexus: O processo inteiro foi um verdadeiro aprendizado, em todos os sentidos. No âmbito das Relações Públicas foi desafiador, era nosso primeiro cliente, e tínhamos muito trabalho e pouco tempo para desenvolver. Pegávamos cada item que víamos em aula, e começamos a trabalhá-los. […] Antes do TCC você sabe o que fazer em cada etapa de um planejamento; quando você termina você sai aprendendo como fazer.

FAPCOM – O que levou vocês à INTERCOM e EXPOCOM? E como foi viver esta experiência?

William Romeo: Desde o começo da nossa faculdade, tivemos o contato com uma professora, Carla Almeida, hoje professora em outra instituição, na qual nos contou diversas experiências de vitórias de projetos de TCC, dela e de outros professores, e desde então plantou a famosa sementinha de como seria legal ganhar um prêmio, um reconhecimento, sobre o seu trabalho.

Anne Caroline: Quando alunos, víamos notícias de concursos que formados já tinham participado, e até ganhado, e ouvíamos sua experiência, e aquilo sempre me atraiu. Por vezes, principalmente eu e o William ficávamos olhando o projeto e nos perguntando “isso ganharia um concurso”? (risos). Queríamos que todo esse trabalho tivesse um retorno, nos abrisse portas. Era nossa primeira experiência prática, e dava muito trabalho, queríamos que ele fosse mais (risos). […] O sentimento de realização por ter nosso projeto premiado é indescritível, será um daqueles momentos que sempre vou lembrar, com toda a certeza!

O melhor de tudo era que quando estávamos lá não éramos três projetos e agências, éramos um time só, todos estavam apoiando como podiam nas apresentações uns dos outros e torciam pela premiação do colega, como se fosse a sua própria. Gritamos e choramos juntos, em cada uma das três premiações conquistadas.

FAPCOM – Como é a dinâmica do trabalho em grupo? (Brigas, reconciliações, tomadas de decisões)

William Romeo: Essa, com certeza, é a maior dificuldade. O meu grupo era composto por 5 mulheres e um homem, no caso eu, e quanto maior o grupo, mais opiniões teremos, das quais a maioria das vezes serão divergentes. Muitas vezes temos que deixar aquilo que achamos correto ou o que achamos melhor para o bem do grupo. As brigas dependendo dos grupos podem ser constantes, desde que elas sejam construtivas e tenham fundamento, mas principalmente, que não sejam pessoais. Quando levamos as coisas pelo lado pessoal nunca dará certo. Nossas tomadas de decisões algumas vezes aconteciam por meio de consenso e outras vezes por votação, o que de longe não é e nunca será a melhor maneira de se trabalhar. A forma mais correta é quando todos estão em sintonia, acreditam no projeto e ficam satisfeitos com as ideias e criações.

Anne Caroline: Na Nexus, o trabalho em grupo foi outro desafio diário, éramos bons alunos, já havíamos realizado atividades juntos, conhecíamos as competências de cada um, mas também as diferenças. Éramos seis pessoas, mas seis pessoas completamente diferentes, com as opiniões muitas vezes divergentes, então não foi tarefa fácil. Brigávamos muito, mas muito mesmo, se você pensou em muitas brigas, acrescenta mais algumas (risos).

Quando as brigas ficavam mais pesadas, nós sempre podíamos contar com nossa orientadora, ela conversa tanto com o grupo quanto individualmente, para fazermos encontrar a harmonia novamente, e o principal, ela sempre acreditava muito em nós, então quando o cansaço ou o desânimo batia, ela sempre dava um jeito de fazer a gente seguir em frente.

O dia da nossa aprovação, o abraço coletivo, fez tudo valer a pena, no fundo todos nós sabíamos que brigávamos muito, mas brigávamos pelo melhor, e valeu a pena!

FAPCOM  Qual mensagem você deixaria para outros alunos(as) que pretendem elaborar um projeto de pesquisa e concorrer a prêmios na área de Comunicação?

William Romeo: Primeiramente acreditem na ideia, tenham certeza que é possível. Algo que sempre bati na tecla com o meu grupo: Saiam da mesmice, não se contente com algo que já fizeram. Crie o novo. Seja criativo e inovador. Não faça algo medíocre (na média), apenas para ser aprovado na banca. Faça algo extraordinário para que lembrem de você e seu projeto. O melhor reconhecimento é aquele que vem através das suas realizações. Tenha orgulho do seu trabalho.

Segundo: Cumpram os prazos, façam um planejamento – esse é um dos melhores conselhos que se pode dar, senão coisas bacanas podem acabar ficando pelo caminho e causando arrependimentos.

Terceiro: Ouça seu orientador – SEMPRE!

Anne Caroline: Minha orientadora sempre dizia que a aprovação na banca e prêmios eram uma consequência, e realmente é verdade! Não tem uma receita mágica que diz o que você deve fazer para a banca te aprovar, ou concorrer a um prêmio. O foco é o projeto, você tem que dá o seu melhor no projeto, tem que se organizar para conseguir conciliar a média oito, o trabalho, o tcc, e claro, momentos de distração para refrescar a cabeça. Mas isso só dará certo se você se planejar e se dedicar. […] Haverá desentendimentos, noites mal dormidas, muito trabalho, algumas coisas não sairão como o planejado, outras melhores do que você pensava. Como tudo na vida, há obstáculos, mas se você der o melhor de si em cada página, pode ter certeza que os obstáculos serão superados, e que vai valer a pena todo o esforço e sacrifício, seja ouvindo a palavra APROVADO, ou subindo no palco para receber um prêmio.

10377446_690563627664251_6889985101010846918_n

Anne Caroline Andrade e William Romeo

Aos grupos vencedores, aos outros que já se formaram  e a todos que passaram pela Banca de Qualificação e Banca Final na segunda semana desse mês, desejamos a vocês sucesso!

FAPCOM | Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação

Twitter
Instagram

Flickr

Henry Carroll na FAPCOM

Facebook