Entenda a diferença entre a propaganda no Facebook e no YouTube

29 de julho de 2014

facebook-youtube

Hoje em dia, só existem três tipos de pessoas que não estão conectadas na Internet: pessoas sem poder aquisitivo para ter um aparelho eletrônico, alguns senhores e senhoras de idade (que não estão adaptados com as novas tecnologias) e crianças pequenas, cujos pais ainda não permitem que tenham acesso às redes. Desconsiderando esses públicos, todo mundo está conectado em alguma rede social. Mas você sabe como elas funcionam e o que cada uma tem de especial? Hoje, nós do blog da FAPCOM falaremos sobre as principais redes sociais e as diferenças entre elas.

Começaremos pela mais importante ferramenta de comunicação da Internet da atualidade: o Facebook. Sem dúvida, é a maior rede social do mundo, com uma penetração de público no Brasil acima dos 90%, ou seja, mais de 90% dos brasileiros que usam a Internet estão no Facebook pela maneira simples de utilizá-lo. Diferentemente das outras redes sociais, nela é possível filtrar as publicações que aparecem no Feed de notícias e cobrar de marcas e pessoas a aparição em mais lugares. Todo conteúdo publicado é analisado pelos computadores da empresa de Mark Zuckerberg, sendo repassado apenas para 3-5% do seu total de amigos ou fãs, que possuem maior relevância. Ter que pagar o Facebook para aumentar o alcance das publicações foi a forma que a rede social achou para capitalizar sua enorme base de dados.

Já a mídia social que aparece em segundo lugar entre o público da Internet, com pouco mais de 60%, é o YouTube. A página de vídeos do Google, que possui uma mecânica diferente da do Facebook, é mais atraente para produtores independentes. Como funciona? Os anúncios feitos no site, seja dentro dos vídeos ou com banners, podem gerar movimentação para o site e ainda ter uma certa quantia em dinheiro repassada ao produtor do conteúdo.

O dinheiro é um incentivo para a continuidade da produção e atrair pessoas para o YouTube, o que faz todos saírem ganhando. O problema de jogar esse formato para o Facebook é que não existem tipos de pessoas claros o bastante para separá-los por funções, pois o usuário comum é considerado produtor de conteúdo apenas por compartilhar um post ou escrever um “:)” e ainda ser anunciante.

Todas as porcentagens foram retiradas do site IAB Brasil. Clique aqui  para acessar o site.

Twitter
Instagram

Flickr

Henry Carroll na FAPCOM

Facebook