Programa de Bolsas Jovens na ONU está com inscrições abertas até 25 de maio

22 de maio de 2018

Interessados têm até o final deste mês para concorrerem à bolsa para encontro mundial de Jovens em NY


Fonte: Gênio Criador | por Danilo Moreira


Que há muito a ser feito para que o mundo se torne um lugar melhor não é novidade, mas quem é jovem, possui um projeto e precisa de incentivos para colocá-lo em prática tem agora uma opção interessante. Até o dia 30 de maio, estão abertas as inscrições para o Programa de Bolsas Jovens na ONU (Organização das Nações Unidas).

O objetivo é levar jovens brasileiros de baixa renda, que estejam desenvolvendo um projeto social ou engajados em um trabalho de impacto em suas comunidades para a 22ª Youth Assembly — a Assembleia mundial de jovens líderes nas Nações Unidas. O encontro, que será realizado pela ONG Friendship Ambassadors Foundation (FAF) entre os dias 9 e 13 de agosto, reúne participantes de pelo menos 110 países para discutir problemas críticos dos locais e levar propostas inovadoras em Nova York (EUA).

Podem concorrer ao Programa de Bolsas os jovens brasileiros residentes no país, que possuam entre 21 e 28 anos completados até 31 de julho de 2018. Além desses requisitos, há outros critérios de seleção, conforme elencados a seguir:

— Engajamento e liderança na comunidade;
— Comprovar que a condição socioeconômica não lhes permite arcar com os custos da viagem;
— Estar desenvolvendo ou envolvido(a) em ações/projetos sociais de impacto;
— Postura proativa, comprometimento com Desenvolvimento Sustentável e melhoria do Brasil;
— Acreditar no protagonismo jovem e atuar na resolução de problemas que afetam o cotidiano dos brasileiros;
— Ter vontade contínua de aprender e compartilhar experiências com a comunidade.

Para participar, os jovens interessados devem preencher a um formulário on-line e não poderão fazer o cadastro regular no Youth Assembly (já que por meio desta, entende-se que arcarão com os custos da viagem). Após a pré-seleção, os candidatos passarão por duas etapas até que os selecionados finais sejam contemplados com bolsa.

De acordo com a embaixadora do Youth Assembly no Brasil, Susana Sakamoto, a iniciativa é uma oportunidade transformadora para jovens que desejam fazer a diferença na sociedade, além de lidar com desafios futuros e do presente. Susana, que é estudante de Relações Internacionais, afirma saber da participação incomparável de docentes na formação da juventude e pede aos professores que identificam jovens engajados socialmente e líderes expoentes. “Divulguem o programa de bolsas em seus grupos de relacionamento, que incentivem estes alunos ou ex-alunos a se candidatarem ao programa”, convida Susana.

Em caso de dúvidas sobre o Programa de Bolsas Jovens da ONU, entre em contato enviando um e-mail para bolsa.jovensnaonu@gmail.com.

Youth Assembly – Rede global de jovens que fazem a diferença

Criado em 2002, o Youth Assembly nasceu com o objetivo de envolver os jovens na participação de diálogos internacionais na ONU, além de promover a compreensão mútua, a troca de ideias e engajá-los em inciativas que estimulem o desenvolvimento global, atualmente alinhado com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas (saiba mais no final desta matéria).

Durante o evento, os jovens participam de palestras, workshops e debates relacionados aos temas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e Liderança Jovem. Além disso, podem compartilhar experiências das realidades em seus países, em uma rica e importante troca de conhecimentos.

Na última edição, realizada em fevereiro deste ano, mais de 50 representantes brasileiros participaram da Assembleia em Nova York. Engajados e conscientes dos seus potenciais, esses agentes transformadores se reuniram com mais de 1.000 jovens de várias partes do planeta para trocarem mais experiências e desenvolverem soluções para problemas globais relacionados à sustentabilidade.

“Os jovens brasileiros não podem se intimidar com as dificuldades e problemas sociais e precisam atuar em soluções para melhorar a sua comunidade e a sociedade de modo geral. Participar do Youth Assembly é uma forma de dar um norte para ideias inovadoras”, comenta a jovem Embaixadora da Youth Assembly no Brasil.

Os interessados nas inscrições regulares do próximo Youth Assembly em agosto precisam ter entre 16 e 28 anos e têm até 26 de junho para participarem do processo seletivo. Após fazer o cadastro por meio deste formulário de pré-seleção, o candidato deve aguardar a Embaixadora entrar em contato e fornecer orientações para os próximos passos. Já os candidatos à bolsa têm até 25 de maio e devem participar do processo seletivo por meio deste link.

No caso desse cadastro tradicional, os inscritos não poderão participar do programa de bolsas, mas podem buscar individualmente formas de custear os gastos da viagem por meio do patrocínio de órgãos públicos, universidades e instituições privadas, por exemplo. Outro meio de bancar os gastos é promover uma campanha de crowdfunding (financiamento coletivo). Para saber mais, confira nosso especial, que reúne dicas sobre como proceder e as melhores plataformas.

Apesar da faixa de idade indicada para participação, caso o interessado tenha mais de 28 anos também pode fazer parte da delegação. Em caso de dúvidas, envie um e-mail para selecaojovensnaonu@gmail.com.

site do Youth Assembly possui um guia completo com o passo a passo para quem deseja participar. Para acessar ao guia do evento, clique aqui. No Brasil, a organização também mantém um blog com novidades sobre a Assembleia.

Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

Em 2015, um acordo entre 193 líderes mundiais e as Nações Unidas estabeleceu os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), um conjunto de metas que servem como orientação para as políticas dos países e em atividades de cooperação internacional até 2030.

Confira os objetivos a seguir:

1 – Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares;

2 – Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável;

3 – Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades;

4 – Assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos;

5 – Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas;

6 – Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos;

7 – Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos;

8 – Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos;

9 – Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva, sustentável e fomentar a inovação;

10 – Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles;

11 – Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis;

12 – Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis;

13 – Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos;

14 – Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável;

15 – Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade;

16 – Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis;

17 – Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

Os 17 Objetivos foram desenvolvidos em substituição aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, elaborados no ano de 2000, que estabeleceu o ano de 2015 para a conclusão das metas. Essa atualização incorporou outras áreas necessárias, como a desigualdade econômica, inovação, consumo sustentável, mudanças climáticas, paz e justiça. O desafio agora é investir em medidas para atingir essas conquistas até 2030.

“Essas metas precisam ser adotadas não só pelo Estado, mas pela população de modo geral. É um trabalho conjunto, na qual todos precisam tomar para si essa responsabilidade, já que envolve problemas que afetam toda a população do planeta”, explica Susana. A embaixadora também aponta que essa consciência, inclusive, vem sendo propagada por meio de conceitos como o da Cidadania Global. “Felizmente, vemos cada vez mais jovens conscientes de que fazem parte de um planeta, e que suas atitudes influenciam a todos”, afirma a jovem, que em 2017 ganhou o concurso Social Venture Challenge, da ONG The Resolution Project, pelo empreendimento social “Write Your Future” (Escreva Seu Futuro, em inglês). O projeto atende jovens em situação de vulnerabilidade social no Estado de São Paulo com orientação profissional e educacional.

Se você é um jovem engajado em projetos sociais, participe do Youth Assembly! E se você, acadêmico, conhece pessoas com este perfil e que estão procurando uma oportunidade para aumentar seu potencial transformador, repasse esta matéria. Todos só têm a ganhar com mais pessoas trabalhando por um mundo melhor!

Com informações de: Jovens na ONUYouth Assembly
Foto: Jovens na ONU

Twitter
Instagram
Facebook